Ambiente de Homologação

Dinei e Índio contam bastidores da campanha do Mundial de 2000

O ex-atacante e o ex-lateral foram formados nas categorias de base e se tornaram ídolos do Timão

14/01/2020 07h00 Agência Corinthians

A- | A+


Nesta terça-feira (14), a primeira conquista do Mundial de Clubes da FIFA do Corinthians completa 20 anos. Não faltaram personagens icônicos nessa campanha e a dupla Dinei e Índio, ambos formados nas categorias de base do clube, falaram um pouco sobre o título.

Perguntados sobre os momentos mais marcantes da competição, ambos compartilharam da mesma opinião. Dinei comentou: “Tirando o pênalti que o Edmundo perdeu, a defesa de pênalti do Dida contra o Real Madrid, com certeza foi um dos momentos mais marcantes, afinal nos classificou para a final. Sem falar na caneta do Edilson, que todo mundo lembra.” O ex-atacante ainda destacou a torcida do Corinthians: “Foi nesse mundial que a torcida começou a cantar o Todo Poderoso Timão, isso foi fantástico.”

Quando questionados sobre o melhor jogador do Mundial, a dupla não teve dúvidas: “Edilson capetinha!” Afirmaram. Dinei ainda enalteceu outro jogador: “Na minha opinião, Edilson em primeiro lugar e Dida em segundo.” Completou o ídolo Alvinegro.

Após brincadeiras entre os dois, Dinei exaltou o protagonismo do ex-lateral: “Vou falar uma coisa para todos os corinthianos: Eu não era o Talismã!” Brincou Dinei.  “Em 1998, o Corinthians contratou outro lateral-direito, mas quem jogou a final foi o Índio. Em 1999 contrataram o Daniel e quem jogou a final foi o Índio de novo. Em 2000, antes da final o Daniel foi expulso e quem jogou a final foi o Índio! O Índio jogou em todas as finais e fomos campeões. O Índio é o verdadeiro talismã!” Explicou de forma descontraída.

Dinei disputou 194 partidas pelo Timão e Índio 122. Ambos conquistaram títulos importantes e caíram nas graças da torcida corinthiana.


Tags: Especiais, Notícias

Categoria(s): Especiais